Petrópolis é um município na região serrana do Rio de Janeiro conhecido como Cidade Imperial. Local onde D Pedro II e sua família se hospedavam durante suas férias, e como consequência um lugar recheado de obras arquitetônicas e principalmente de muita historia.

Vou relatar o roteiro de um fim de semana que passei por lá com minha família, confesso que a chuva atrapalhou um pouco, mas nada que pudesse apagar o brilho. E o que não faltou foi brilho, a cidade estava linda e muito iluminada por conta do Natal de Luzes. Por sorte chegamos ainda a tempo de ver as últimas apresentações.

Dia 1

Chegamos em uma sexta-feira pela manhã, e feito o check-in no hotel fomos dar uma volta pela cidade à pé, apreciar os antigos casarões da Avenida Köeller, uma placa no portão de cada uma delas nos dá algumas informações sobre o local. Entre estas casas está uma bem importante, aquela onde morou Princesa Isabel com sua família, que atualmente está fechada a visitação pública.  

Nossa primeira parada, Casa de Santos Dumont, uma casinha minúscula mas com  muita personalidade. Percebe-se ali que o dono era mais que um inventor, era um gênio. Converse com as pessoas que trabalham no lugar, irá se surpreender com as histórias que podem te contar. Entre muitos projetos e objetos pessoais encontramos seu tão conhecido chapéu, o projeto original da casa, a escada onde só é possível subir começando com o pé direito e muito mais. Atração mais que imperdível, essencial!  

Ali pertinho ainda tem o relógio de flores, mas nossa direção foi  o Museu de Cera. Esta atração é bem cara e pensaria duas vezes em colocar como indispensável.

Hora do almoço! Escolhemos o restaurante Massas Luigi ali bem pertinho, mas o que não falta na cidade são boas opções, porém se a sua escolha for a mesma que a nossa, não deixe de provar o nhoque de manjericão, tentei inclusive comprar a massa congelada porém a procura é grande e não consegui.

Voltamos para Avenida Köeller, hora de conhecer um destes palacetes por dentro. Palácio Rio Negro, moradia de um grande produtor de café, Barão do Rio Negro. Posteriormente este local foi usado como residencia de verão de alguns presidentes entre eles JK. Alguns quartos mantem a mesma arrumação de quando ele e a família se hospedavam por lá. Quando fui o local precisava de reformas.

 Nos fundos do Palácio Rio Negro encontra-se o Museu da FEB, um museu pequeno, lotado de objetos da participação da Força Expedicionária Brasileira na segunda guerra. É lindo ver o empenho daqueles que cuidam do espaço. Com as doações dos visitantes, os descendentes dos combatentes conseguem manter o lugar. Quem se interessa pelo assunto, vale muito a pena conhecer.

A próxima parada, Palácio Amarelo, a Câmara Municipal da cidade. Fizemos uma visita guiada ao local, bem bonito por dentro, leva cerca de 15 a 20 minutos a visita, porém é dispensável. A parte externa ao contrário, vale a parada e algumas belas fotos.

Chegamos ao ponto alto do dia, Museu Imperial, como o nome diz, museu onde se hospedava a família imperial nos dias quentes de verão. Fizemos a visita guiada, e com certeza indicaria que vocês fizessem o mesmo, o guia nos presenteia com muitas informações, histórias e o melhor, muitas curiosidades. Quando comprar o ingresso sugiro que compre o combo com a visita e o show de Som e Luz que fica mais em conta. 

Antes de entrar na parte principal do museu, em um salão anexo, podemos ver carruagens usadas pela família e a locomotiva que fazia o trajeto Rio de Janeiro-Juiz de Fora pela Estrada de Ferro Mauá. 

Para entrar no museu é necessário colocar pantufas para não danificar o chão do Palácio, e deixar seus pertences em um guarda volumes, daí é só descobrir a hora da próxima visita guiada e saborear o momento. Na minha opinião, o ponto alto é a sala da coroa, vestimentas e joias do império. 

Após o fim da visita guiada, a dica que dou é recomeçar o passeio pelo museu por conta própria, agora já com mais informações, com certeza verá cada peça de forma diferente. Só para deixar claro, dentro do museu é proibido fotografar. Não deixe de passar pela lojinha na saída, com certeza você irá encontrar algo para relembrar a sua visita.

Próximo da hora do show noturno voltamos ao Museu para jantar, o local escolhido foi Duetto’s Café e Bistrô, um cafeteria nos jardins do Palácio, gostamos bastante dos sanduíches. Na hora do show chovia muito, nos foi entregue guarda-chuvas transparentes para que nada atrapalhasse o espetáculo porém acredito que com o tempo bom, o show seria ainda mais bonito. A atração é surpreendente, emocionante, imperdível!

Agora era hora de aproveitar as luzes da cidade.  

Continua no Dia 2